Sentimentos, Vida real

Eu amo café ❤

f72370e89e8bb17f62a1affd0f2136baAssim como os work a hollic, (viciados em trabalho), eu já fui uma coffee a hollic ( viciada em café).

 

Nada nessa vida me faz acordar mais feliz, que cheirinho de café.

Existem vários tipos de café, não só de preparo, mas principalmente, tipos de grãos.

Tenho algumas preferências, mas meu café com leite é o predileto!

FB_IMG_1561897343162

Em outro post, vou falar sobre os tipos de café, porque apesar de amar essa bebida, não posso deixar de falar sobre o que ela representa.

Como tudo na vida tem dois lados, eu experimentei o lado bom do café, mas também cheguei no limite do ruim e tive que restringir o uso diário a míseras xícaras. Nunca fiquei tão triste, porque eu realmente, amo café!

Isso aconteceu,  por causa dela: a Cafeína, que é considerada uma droga poderosa (é a mais consumida no mundo). Todavia, o fato de não ser prejudicial aos outros, não significa que seja benéfica a quem a ingere, principalmente se for em excesso. Eu fui vítima do café, pelo consumo excessivo.

A cafeína é um composto químico e é um dos componentes do café. Ela estímula o sistema nervoso.

Dentre os efeitos da cafeína temos o aumento do estado de vigília, sensação de bem-estar e diminuição da fadiga. Além desses efeitos ela pode levar a efeitos indesejáveis como o aumento de suco gástrico, aumento do refluxo, riscos de aborto (esse eu nem sabia), azia, ansiedade, angústia, alterações do sono e apesar de não causar dependência química é visível em alguns casos os indivíduos que apresentam sintomas da abstinência: tremores, irritação, etc…

A cafeína é rapidamente distribuída por todos os tecidos do corpo, mais ou menos 2  horas depois de ingerida e tem uma alta capacidade de atravessar as membranas, inclusive a placentária, daí o perigo de aborto.

Em média, uma xícara de café já é suficiente para deixar um adulto alerta de 3 a 6 horas. Já uma quantidade superior a 500 miligramas de cafeína (o equivalente a 3 xícaras de café expresso forte) podem levar a um processo de intoxicação. Óbvio que isso não vale para todos. Depende da capacidade do seu fígado, para metabolizar a Cafeína. No meu caso, meu fígado era bem ruinzinho.

A frequente necessidade de ingerir a bebida é um dos sinais do vício. Se pretende deixá-lo, é bom saber que irritabilidade, agitação, ansiedade, dor de cabeça e insônia são sintomas da abstinência da cafeína, então  vá tirando aos poucos. Foi assim que diminui a quantidade de cafezinhos durante o dia.

Por outro lado, se consumida moderadamente, essa droga pode auxiliar na prevenção de inúmeras doenças, como o mal de Parkinson, a depressão, o diabetes, os cálculos biliares, dentre outras coisas. Tudo depende de moderação.

Há quem diga: não bebo café, portanto,  não  preciso me preocupar com a cafeína. Ledo engano. A cafeína não  está presente apenas no café. Esse alcaloide compõe várias bebidas e alimentos, como chá verde, refrigerantes, pó de guaraná, chocolate, cacau, chá-mate, etc

Outra coisa importante, aos fumantes de plantão é bom saber que, a cafeína permanece na corrente sanguínea por aproximadamente 2x mais tempo que em não fumantes, o que pode significar uma média de 6 a 10 horas no organismo, isso pode significar uma taxa de intoxicação maior em pessoas fumantes.

Vale ressaltar que a cafeína também é excretada pelo leite materno, então mulheres grávidas, cuidado com o consumo excessivo dessa substância, visto que, o bebê pode sofrer as consequências.

Bom galera, fico por aqui. Foi importante para mim, pelo fato de ter vivenciado essa experiência, alertar outras pessoas, sobre coisas que parecem não oferecer riscos, mas podem causar problemas, pela falta de conhecimento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  • TAVARES, Cristiane; SAKATA, Rioko Kimiko. Cafeína para o tratamento de dor.