Viagens, Vida real

Micos e perrengues de viagem #3

Oi gente!

Dando continuidade à série Micos e Perrengues de viagem, hoje vou contar um episódio bizarro, causado pelas diferenças entre as culturas e principalmente, os idiomas.

Esse foi um mico do qual me envergonho e ao mesmo tempo me divirto, de tão bizarro que foi.

Sabe aquele ditado: “Vivendo e aprendendo”, pois é… aprendi, depois de pagar uns trocentos micos e o pior de tudo, nas mesmas circunstâncias, o que considero um agravante.

Não sei se a maioria das pessoas sabe, mas na Europa, principalmente nas grandes cidades é muito comum as pessoas usarem bicicleta e transportes públicos. Carro, só pra quem mora longe do centro (mas a maioria usa o metrô), pra passear no final de semana e pra viajar, porque as cidades e países são próximos. O porque disso?

Primeiro, porque o combustível do lado de cá é caro pra caramba.

Segundo, porque os transportes públicos são de qualidade e as linhas de trem e metrô atendem a cidade inteira.

Terceiro, porque as pessoas têm uma pegada mais sustentável e uma preocupação com a qualidade de vida, saúde física e consequentemente, mental.

“Mens sana in corpore sano”, traduzindo do latim: ” Mente sā em corpo são”.

Não sei se o fato de não gostar de malhar, e não andar de bike causou algum efeito contrário em mim, porque eu poderia substituir o ditado para:

“Mens INSANA in corpore sano” “.

A foto abaixo, vai explicar claramente, porque eu paguei tanto mico.

Screenshot_20200127-170234__01__01__01

Existe uma faixa de pedestres, pra atravessar as ruas (nessa eu tô de boa).

E existem duas pistas paralelas, uma para CICLISTAS (verde e com o desenho de uma bicicleta) e outra para quem tá andando, caminhando, correndo, usando carrinhos de bebê, etc…( cinza claro e com o desenho de um pedestre). Se eu fosse cega, seria perdoada.

Foi aí que morou o mico, que virou quase um gorila, mas não era proposital, nem pra prejudicar ninguém não, gente.

Em muitas cidades por onde eu passei, eu sempre tava transitando a pé, com minha mala de rodinhas, indo ou voltando das estações de trem ou ônibus, porque táxi é caréssimo e andar de buzu, ou metrô, com mala é a treva.

Então, eu sempre me hospedo perto das estações e vou andando. Um raciocínio lógico e econômico, e como a pista de ciclistas é lisinha, eu sempre optei por andar sobre ela, por causa da trepidação da mala, que também é a treva.

Então, podem imaginar, quantas zilhões de vezes, ciclistas, com medo de me atropelar e ainda cair, apertaram a buzina das bikes???? Foram muitas…perdi a conta.

Muitos só olhavam e balançavam a cabeça, talvez falando mentalmente, que mulher sem noção!!!

Não foi falta de noção, foi mais falta de educação europeia e falta de hábito ciclístico.

Mas o mico pior, ainda estava por vir.

Quando cheguei em Milão, na Itália, ouvi dizer que tinha uma região, totalmente nova e super  moderna, chamada: Porta Nuova de Milano.

Putz, eu sou arquiteta, qualquer arquitetura me desperta interesse.

Imediatamente, peguei meu celular, meu pau de selfie (não vivo sem ele) e partiu conhecer essa arquitetura top!

Estava eu, sem mala, porque estava passeando, olhando o celular pra não me perder, porque o bairro é distante do centro e advinha onde eu tava andando?

NA CICLOVIA😬. Cara, dessa vez foi total distração, porque eu fiquei tetra impactada com os prédios de arquitetura top, com edifício verde, totalmente sustentável. Nossa, fiquei absorta em mil pensamentos e esqueci a bendita ciclovia.

Foi quando ouvi aquela buzina insistente estridente e um grito de “bitch”.

Gente, eu dei aquela saída da ciclovia em milésimos de segundos e nesses mesmos milésimos eu fiquei indignada e pensei: cara essa mulher me chamou de”bitch”, que traduzindo do inglês (idioma que eu tava acostumada a ouvir e falar), significa puta.

Aí eu pirei. Tudo bem buzinar, balançar a cabeça, resmungar, mas me xingar é inaceitável.

Aí o instinto ou espírito de defesa e de tudo que se possa imaginar, baixou em mim e nesses milésimos de segundos eu respondi: Fuck you! (foda-se).

Detalhe: a mulher se mandou e eu indignada, sentei num banco da praça, pra contar pelo watts app, o episódio pros meus amigos, que moram na Itália e falam italiano, sobre o ocorrido e que eu tava arrasada e tal.

Aí o marido da minha amiga, que é italiano, me explicou que eu tava TOTALMENTE equivocada. Dei aquela parada, com o celular na mão e tentei digerir.

Em italiano bicicleta, eles chamam de bici e a pronúncia (vocês podem confirmar no Google tradutor, o som é biti). Ou seja, a mulher buzinou e gritou bici, me alertando que aquele espaço era das bicicletas.

Agora, vocês conseguem imaginar minha cara de vergonha????

Eu tava errada triplamente. Primeiro, tava andando na ciclovia, de novo. Segundo, fiz um pré julgamento da mulher, ao interpretar errado o que ela disse. Terceiro porque eu respondi e fui eu a xingadora e não ela.

E além de tudo, fui burra, porque se a mulher era italiana, porque ela ia me xingar em inglês??? Que babaca que eu fui.

Gente, eu juro, sem dedo cruzado, com a mão sobre a Bíblia, que eu queria que abrisse um buraco, embaixo dos meus pés e eu caísse nele, pra desaparecer daquele lugar e daquela situação bizarra.

Mas, humildemente, pedi perdão pra Deus, porque a mulher já tinha desaparecido e tentei arrumar alguns argumentos pra servir de atenuante pra minha insanidade.

Eu não falo italiano, eu não sabia que eles chamavam bicicleta de bici, eu tava empolgada com o cenário, porque eu sou arquiteta, etc, etc, etc…

Enfim, a partir desse fatídico dia, me eduquei em milésimos de segundos e nunca mais andei nas ciclovias, nem com, nem sem mala, porque percebi que a mala fui eu, por desrespeitar os ciclistas.

Perdão a todos os ciclistas que, eventualmente, lerem esse post e se identificarem.

E aos que estupidamente, andam nas ciclovias, como eu andava, se toquem e se eduquem.

Beijos e até o próximo mico ou perrengue!

Texto: Lila Amaral.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.