Vida real

Os 7 pecados capitais, quem nunca?

Quem não cometeu, pelo menos um, dos sete pecados capitais, que atire a primeira pedra.

1592309811801

Eu fui educada numa família católica, praticante e fiel aos princípios da Igreja. Estudei toda minha vida em colégio de freiras e padres, mas, por livre e espontânea vontade, hoje, não sou católica.

Apesar de não gostar da palavra pecado é assim, que a maioria a interpreta. E é deles que gostaria de falar.

Aprendi na escola, que, no século IV, o papa Gregório Magno e São João Cassiano reuniram uma lista, com alguns vícios de conduta que, para a Igreja Católica, eram considerados os precursores de todos os outros “pecados”.

Eles serviriam como ponto de partida para corrigir falhas humanas e promover os ensinamentos de Deus.

Assim surgiram os 7 Pecados Capitais.

Alguns anos depois, no século XIII, São Tomás de Aquino publicou a Suma Teológica, onde ele explicava um pouco mais sobre os 7 Pecados Capitais. Esta obra é considerada uma das principais referências filosóficas da escolástica, método que surgiu na Idade Média que buscava, conciliar a fé cristã, com um sistema de pensamento racional.

Os 7 Pecados Capitais são:

  • Avareza – qualidade ou característica de quem é avarento, de quem tem apego excessivo ao dinheiro, às riquezas e coisas materiais, talvez por ter sofrido pela ausência de coisas essenciais. Falta de magnanimidade, de generosidade; mesquinharia, mesquinhez, sovinice.
  • Gula – vício de comer e beber em excesso; glutonaria. Atração irresistível por doces e iguarias; gulodice, gulosaria.
  • Inveja – desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia. Desejo irrefreável de possuir ou gozar o que é de outros.
  • Ira – intenso sentimento de ódio, de rancor, dirigido a uma ou mais pessoas, em razão de alguma ofensa, insulto, etc., ou rancor generalizado em função de alguma situação injuriante; fúria, cólera, indignação.
  • Preguiça – aversão ao trabalho; ócio, vadiagem. Estado de prostração e moleza, de causa orgânica ou psíquica.
  • Luxúria – atração pelos prazeres carnais; comportamento desmedido em relação aos prazeres sexuais; lascívia.
  • Soberba – soberba é uma manifestação negativa que, denota pretensão de superioridade, podendo se manifestar individualmente ou em grupo, externada em manifestações ostensivas para menosprezar e massacrar os indivíduos considerados, por eles, como seres inferiores.

Segundo São Tomás, a soberba é o pior de todos dos 7 Pecados Capitais, pois é onde se enquadra o Pecado Original (até hoje não sei bem o que seria) . Adão e Eva teriam provado do fruto proibido, para se igualarem a Deus.

Isso é a visão da Igreja, mas não é no que realmente acredito. Mas acredito que a soberba é o pai dos demais “pecados”.

E acredito em Deus tá?

Na minha interpretação, soberba está diretamente, ligada a Orgulho, que automaticamente, impede as pessoas de admitirem que praticam os demais “pecados”, ou como prefiro expressar: deslizes, desvios de conduta ou simplesmente: características negativas.

Explicar sobre os 7 Pecados Capitais é muito importante para a Igreja Católica, pois eles fazem parte do ensino moral cristão. A partir destes sete vícios, outros pecados podem surgir (alguns erros que cometemos são uma mistura de dois ou mais da lista).

Por exemplo, se trouxermos este tema para os dias de hoje, podemos perceber que a corrupção, muito presente nos noticiários, vem da avareza, que culmina na sobreba, mas pode culminar na gula, luxúria, inveja, enfim, o somatório dos 7 pecados capitais. Isso é mais real do que imaginamos.

A violência nas ruas é o resultado da ira e o consumo abusivo de drogas está ligado à gula, não no sentido literal, mas, figurado, fome de drogas, assim como acontece com a comida.

Para deixar as pessoas longe dos 7 Pecados Capitais, a Igreja criou as Sete Virtudes (acho engraçado a Igreja se intitular criadora de virtudes) que, teoricamente, seriam os antídotos. Elas seriam:

  • Humildade
  • Disciplina
  • Caridade
  • Castidade
  • Paciência
  • Generosidade
  • Temperança

Mas as Virtudes não fazem tanto sucesso como os 7 Pecados Capitais, porque somos humanos, falíveis e imperfeitos. É mais fácil errar, que acertar. Mas, se praticar… dá pra melhorar!

Se pararmos para pensar, todos nós cometemos algum “pecado” por dia, mas isso não quer dizer que somos monstros e vamos pro inferno. Eu nem acredito em inferno.

Mas com certeza somos muito mais “pecadores” do que imaginamos. Olha só esses exemplos:

Nos finais de semana, geralmente cometemos uns pecadinhos, comendo demais ou não querendo levantar da cama. Se são realmente “pecados”, então estou mal na fita, porque adoro dormir até tarde, além de adorar comer…quem não gosta? Se for de frente pra TV então, nossa… tô no céu. Eu também não acredito em céu, da forma como é descrita.

Se um amigo conquista um emprego top, que talvez quiséssemos, não conseguimos evitar uma certa inveja. Bom, desse mal não padeço. Não tenho olho gordo, nem inveja. Pelo contrário, fico feliz quando alguém próximo conquista qualquer coisa. Mas tem muita gente que roga praga, faz até intriga pra pessoa ser demitida. Infelizmente, já vi gente assim.

Quando as pessoas se apaixonam, geralmente ficam nas nuvens e muitas deixam a luxúria entrar no  relacionamento. Bom, não sei se eu me enquadro nesse cenário, porque não sou a mais romântica das mulheres, nem curto esse negócio de chicote, algemas, etc. Acho que sexo é bom, mas sem muita papagaiada. Isso também não quer dizer que sou limitada, carola, careta ou preconceituosa, porque não gosto de fantasias, fetiches ou coisas bizarras. Nada contra quem curte. Apenas gosto de uma certa “normalidade”.

Se pararmos pra olhar à nossa volta, vamos perceber que, este tema é tão mais corriqueiro do que imaginamos, que está impregnado no imaginário de muita gente.

Tão impregnado que filmes e livros já foram escritos envolvendo o assunto.

O filme SEVEN (bem pesado de assistir, mas muito bom), por exemplo, traz Brad Pitt e Morgan Freeman, como policiais que precisam encontrar e prender um assassino em série que mata as pessoas, seguindo a ordem e o conceito de cada um dos Sete Pecados Capitais.

É um filme assustador, mas que nos faz refletir, porque é quase um retrato falado de muitas pessoas, que nem sempre são marginais ou bandidos, mas pessoas com problemas emocionais sérios.

Os que matam, são psicopatas e provavelmente, foram vítimas desses “pecados” em algum momento de suas vidas, assim como, os que são acometidos por esses desvios de conduta, também são vítimas e certamente, também passaram por situações semelhantes.

Acho de verdade, que não podemos ignorar esses desvios de conduta, porque hoje, o que é uma raivinha, pode se transformar em ira de verdade, capaz de machucar e até matar. Assim como a luxúria, que pode levar a doenças sexualmente transmissíveis, traições e situações vexatórias. A gula, que pode levar à obesidade mórbida e à morte. A preguiça que pode causar lesões físicas e o pior, desencadear uma depressão. A inveja que pode criar um monstro interior, que vai corroendo a pessoa e transformá-la numa possível suicida. Mas, não podemos ignorar os piores desses desvios: Avareza e Soberba.

A avareza, que impede de ajudar pessoas que realmente necessitam, que cria um medo assustador, de perder tudo que se tem e acaba gerando patologias graves.

E finalmente, a soberba, que transforma internamente, um simples mortal, num semi-deus, capaz de atitudes absurdas, como, racismo, xenofobia, preconceitos de todas as naturezas, que causam muita humilhação e muita dor.

Estejamos atentos. A linha que separa esses desvios, muitas vezes pode ser muito tênue e surpreender o mais santo dos mortais.

Mais virtudes e menos vícios!

20180603_125559

Carpe Diem!

Referências:

  • Mundoestranho.abril.com.br /Quem definiu os sete pecados capitais?

5 comentários em “Os 7 pecados capitais, quem nunca?”

  1. Eu sei que o termo “oficial” é pecado, mas eu não enxergo como realmente pecado. Sinceramente eu acho difícil de acreditar que alguém nunca sentiu alguns destes 7 durante a vida. É da nossa natureza sentir essas coisas em certas situações, como você bem exemplificou. Eu penso que o que realmente define o tipo de pessoa que você é, é o que você decide fazer em relação a esses sentimentos quando eles aparecem 🙂

    Curtido por 1 pessoa

    1. Exatamente. Eu já senti raiva, já discuti, mas depois, independente de estar certa ou errada, pedi desculpas. Eu gosto de comer, mas nunca chego a extrapolar, assim como gosto de dormir até mais tarde, mas tbm trabalho muito, então acho que essa palavrinha “pecado” me incomoda um pouco.🤔

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.